Sigmund Schlomo Freud – fantástico médico neurologista e autor da psicanálise – é uma das figuras mais respeitadas pela psicologia atual, sendo uma grande influência para aqueles que fazem e procuram tratamento principalmetne de cunho psicológico. Possivelmente já ouviu falar deste nome, mas sabia que este notável psicólogo era viciado em cocaína?

Freud abusava das drogas e, para conhecermos um pouco mais sobre o motivo que o levou a isso, contamos com a ajuda de Howard Markel, amigo de longa data do médico e professor de História da Medicina na Universidade de Michigan.

Ele escreveu um livro chamado “An Anatomy of Addiction: Sigmund Freud, William Halsted and the Miracle Drug Cocaine”. Na sua publicação, podemos conhecer um pouco sobre Freud e os detalhes do seu envolvimento com a droga.

1. Para uso próprio

Como muitos médicos, Freud investigou tudo o que podia sobre a cocaína para uso próprio. Tudo isso para conhecer com precisão qual era o efeito da droga no seu corpo. Certa vez, Freud descreveu aos seus amigos, colegas, irmãos e noiva, Martha, que a substância fazia-lhe ficar forte e dava um pouco de cor às suas bochechas.

Markel, descreveu numa parte do seu livro: “Durante o período de várias semanas, Sigmund Freud engoliu dezenas de cápsulas de cocaína em doses que variavam de 0,05 a 0,10 gramas. A partir dessas experiências que ele próprio teve, foi capaz de compor um relatório preciso sobre os efeitos imediatos que a droga exerce sobre o ser humano”.

2. Uma ajuda para a medicina

O próprio Freud escreveu uma análise científica sobre a cocaína, os seus efeitos e as suas consequências, intitulada “Über Coca”, em julho de 1884. Foi a primeira grande publicação médica dele. Segundo o professor, a maior parte dos escritos foi muito bem redigida e Freud incorpora os seus próprios sentimentos, sensações e experiências vividas.

Neles, Freud afirma que a droga pode servir como um grande medicamento, sendo eficaz para a morfina e o abuso de álcool, sem deixar de mencionar que é extremamente viciante. Apesar de ter sido uma bela análise, o estudo não rendeu os elogios e reconhecimentos que o médico esperava, já que não foram apresentadas as habilidades anestésicas da substância.

Markel escreveu que Freud parou com a utilização da cocaína em 1896 e completa: “As informações precisas sobre o uso da droga, tanto antes como depois dessa data, podem muito bem estar entre os segredos de Sigmund. A ausência de provas nem sempre significa evidências. No final, nós provavelmente nunca vamos realmente saber”.

3. O ínicio do vício

O real motivo que levou Freud a iniciar o consumo dessa droga, foi numa tentativa de ajudar um dos seus amigos mais próximos, Dr. Ernst von Fleischl-Marxow, a livrar-se do vício em morfina. O também médico sofreu uma amputação e necessitava da substância para amenizar a dor absurda que sentia diariamente.

Freud acreditva que a cocaína podia curá-lo.

Em maio de 1884, Freud convenceu Ernst a tentar utilizar cocaína para substituir a morfina, que o estava a matar. É claro que os resultados foram desastrosos e acabaram ambos viciados: Freud e  Fleischl-Marxow.  Segundo Markel, é possível que Fleischl-Marxow tenha sido “o primeiro viciado na Europa a ser tratado com esta substância terapêutica.”

 

 

Comentários

You need to login or register to bookmark/favorite this content.

Bookmarked By