A melhor forma de aprender economia é a trabalhar numa pizzaria.

Não acredita? Deixe-nos explicar.

Pizza

Você começa o seu dia ao acordar de manhã cedo para ir para o trabalho. O seu primeiro cliente entra, declara que está esfomeado e compra uma fatia de pizza. Quando ele acaba, compra uma outra… e outra! Ao fim de três fatias, no entanto, o seu cliente já está satisfeito. A utilidade – o prazer – que recebeu da terceira fatia de pizza é muito menor do que da primeira fatia e a lei da utilidade marginal consegue corretamente prever que a quarta fatia de pizza certamente não valerá o seu dinheiro.

Na outra ponta da pizzaria, você verifica um potencial consumidor a analisar o menu, finalmente ele decide que uma pizza por 10 dólares é demasiado e vai procurar outro restaurante mais barato. E o consumidor no canto da sala? Ele está faminto. Ele pagaria 15 dólares. Você não sabe quanto exatamente cada cliente está disposto a pagar, mas você tenta colocar o preço da pizza de modo a conseguir maximizar o lucro, sempre tendo em consideração a procura do público em geral por pizza.

Alguns dias mais tarde, você chega à conclusão que o preço da sua pizza é demasiado caro tendo em consideração a concorrência, visto que tem poucos clientes. Você baixa os preços, e voila! Mais clientes enchem as salas da sua pizzaria. Eventualmente, você encontra um preço que assegura lucrar o máximo que consegue e agora o seu preço está em equílibrio.

O responsável pela pizzaria concorrente, entretanto, interroga-se a razão pela qual  a sua clientela tem vindo a diminuir. Ele decide entrar na sua pizzaria e verifica que a sua pizza está à venda por 8 dólares, enquanto que ele vende a 9 dólares. Relutantemente, ele baixa o preço das pizzas e admite a derrota. Isto é a competição ou concorrência económica. 

Algumas semanas mais tarde, ele bate-lhe à porta a desejar falar consigo em privado. “Esta competição não é boa para os nossos lucros”, diz ele. “E que tal nós aumentarmos ambos os preços?”. “Os consumidores não vão fazer quilómetros para comprar as suas pizzas!”. Você pensa nos argumentos lógicos que o seu concorrente proferiu durante uns instante, mas você acaba por rejeitar. Apesar da proposta de fixar os preços ser tentadora e puder certamente ajudar-lhe no curto-prazo, no longo-prazo os consumidores conseguirão contornar ambas as pizzarias, por isso esta tentativa de formar um oligopólio entre os dois restaurantes, que controlam todo o mercado de pizzas naquela zona, não iria durar muito tempo.

“Tens a certeza?”, pergunta o seu concorrente. “Tenho a certeza que ouviste falar da Sara, que comprou todas as pizzarias na sua zona e agora aproveita um estatuto de monopólio”. “Ela está a ganhar milhares!”, afirma excitadamente o seu concorrente. “Não só está a aproveitar uma economia de escala, o que significa que ela consegue comprar os produtos para as pizzas em massa e aproveita menores custos variáveis“. “Ela também consegue substituir vários trabalhadores com a sua linha automática, fazendo o seu trabalho muito mais eficiente!”. “Ela consegue oferecer muito mais pizza a um menor custo!”, reitera o seu concorrente. “Talvez consigamos alcançar um acordo de modo a termos mais lucros, como tentar expandir o negócio para algo maior”, prossegue o seu concorrente.

Verdade, você pensa. As taxas de juro estão particularmente baixas, por isso não seria assim tão absurdo pedir um empréstimo ao banco e investir num negócio maior. Da sua perspetiva, a taxa interna de retorno – quanto você consegue ganhar ao escolher expandir o negócio – é muito melhor do que deixar o seu dinheiro no banco. “Vamos a isso”, diz você.

O governo, entretanto, está muito satisfeito com a sua decisão – eles querem que as pessoas expandam os seus negócios, é essa a sua política monetária. Aqueles alteraram a taxas de juro para tal utilizando várias ferramentas de macroeconomia e estão expectantes relativamente a estas novas medidas e aos seus resultados.

Depois de um excelente dia de trabalho, você está prestes a fechar o seu restaurante. Mas espera! Ao que parece está uma enorme multidão a dirigir-se à pizzaria, encorajados por um festival local que costuma ocorrer nesta altura do ano. Você sabe que a sua pizza pode complementar o festival e já agora faria uns lucros extra ao manter aberto por mais uma hora. Mas você prometeu à sua mulher que iria dispendar algum tempo de qualidade com ela e os seus filhos. Você sorri, e fecha as portas do restaurante, aceitando o custo de oportunidade – neste caso, dispendeu-se lucros extra – que pagou de modo a conseguir algum tempo com quem mais valoriza na vida. Além disso, a sua  procura por tempo de família é inelástico.

Este artigo visa demonstrar que a economia está em todo o lado e não apenas em livros universitários ou informativos. No entanto, isto não quer dizer que não tenha que ler os manuais escolares, pelo contrário apenas é possível compreender que a economia está em todo o lado no mundo através das leituras e do estudo da economia, isto é o seu conhecimento teórico.

Comentários

You need to login or register to bookmark/favorite this content.

Bookmarked By