A história de uma jovem chamada Natalie Holborow captou recentemente a atenção de vários especialistas. A jovem, natural do País de Gales, sofreu de diabulimia quando tinha apenas 22 anos de idade. Hoje, recuperada, conta tudo o que aconteceu num relato emocionante.

Segundo Natalie, naquela idade já estava muito magra, sofria de bullying e resolveu contar com a “ajuda” da insulina – substância que faz parte do seu tratamento para a diabetes tipo 1. Naquela altura, contou que já não conseguia pensar de forma racional, que vivia com frio constantemente, que perdia cabelos e que as suas hormonas estavam desequilibradas.

A relação entra perda de peso e a insulina, que é o que caracteriza a diabulimia, está no facto de que as pessoas com este tipo de patologia utilizam menos insulina do que devem, pois sabem que isso provoca perda de peso.

Infelizmente, a diabulimia não é reconhecida como uma verdadeira patologia, mas sim como um espectro dos transtornos alimentares. É fundamental alterar esta concepção, uma vez que estamos a falar de pessoas que, para além de perderem muito peso, não tratam a diabetes de forma ideal, já que diminuem a quantidade de insulina que precisam aplicar diariamente.

diabetes tipo 1

Ainda que este tema seja pouco abordado, a estimativa é a de que 40% das mulheres entre 15 e 40 anos que tratam a diabetes tipo 1 já restringiram, em algum momento da vida, a ingestão da insulina para efeitos de controlo de peso.

Para Jacquelin Allan, da DWED, uma instituição de caridade que trabalha com pessoas diabéticas e que têm transtornos alimentares, é necessário que as pessoas tenham mais informações sobre a relação entre a diabetes e os transtornos alimentares – sem insulina, um paciente que tenha diabetes tipo 1 pode morrer facilmente e em pouco tempo. Parte da solução seria oferecer tratamentos psicológicos também a essas pessoas.

Para Allan, é necessário deixar claro que a diabulimia é uma doença que prejudica a saúde mental do paciente, assim como a bulimia e a anorexia, mas com as agravantes da diabetes.

 

Comentários

You need to login or register to bookmark/favorite this content.

Bookmarked By