Mais de 70% da superfície da Terra é ocupada por água. No entanto, apenas uma pequena parte de toda essa quantidade é potável, sendo, adequada para consumo.

São vários os cientistas que estão, há decadas, a estudar formas para converter todo o tipo de líquido em água potável, numa espécie de preparação para um possível caos daqui a alguns séculos. Curiosamente, a solução parece estar a dentro de nós, literalmente.

Um grupo de investigadores da Universidade de Ghent, na Bélgica divulgou, recentemente, a criação de uma máquina que converte urina em água potável e fertilizante. Tudo isso é possível, de acordo com os cientistas, somente com a ajuda de energia solar.

A máquina que converte urina em água potável e fertilizante utiliza uma membrana especial para fazer a dita mudança. De acordo com os cientistas, o sistema é eficiente em consumo de energia e pode ser utilizado em áreas que não contam com rede elétrica.

De acordo com o estudo, é possível aplicar a técnica em área rurais e em países em desenvolvimento, onde a falta de água potável é ainda uma realidade.

Como funciona a conversão?

As informações divulgadas pela Universidade de Ghent, revelam o funcionamento da máquina que converte urina em água potável funciona da seguinte forma:

  • A urina deve ser, inicalmente, recolhida num grande tanque;
  • Com uma quantidade considerável de urina no tanque, é necessário aquecer o recipiente com energia solar;
  • A urina passa por uma membrana em que a água é recuperada;
  • Durante o processo, nutrientes como nitrogénio, fósforo e potássio são separados do líquido.

Um festivar de música em ghent, na Bélgica, foi área de testes para a máquina. O sistema foi aplicado durante os 10 dias de evento e, de acordo com os cientistas cerca de mil litros de água foi recuperado a partir da urina do público.

O resultado, segundo os responsáveis pela organização, foi um sucesso. A água obtida será utilizada para a produção de cerveja. A ideia, agora, é instalar o sistema em ginásios e aeroportos, além das áreas em desenvolvimento.

Comentários

You need to login or register to bookmark/favorite this content.

Bookmarked By