Um estudo recente procurou descobrir como funciona a mente das pessoas egoístas. Logicamente, todos nós somos egoístas de vez em quando, mas o que a investigação procurou compreender melhor foi a forma como pessoas consideradas maquiavélicas pensam.

O termo “maquiavélico” está relacionado ao escritor, político e diplomata italiano Nicolau Maquiavel, autor de “O Príncipe”. Na obra, Maquiavel consegue traçar perfeitamente o perfil frio do personagem principal, que pode ser descrito como manipulador, calculista, traiçoeiro e sem empatia.

O comportamento do personagem principal de “O Príncipe” é comumente visto na nossa sociedade. Há muitas pessoas dispostas a explorar outras apenas por benefício próprio, e essa questão de conduta ética e social é frequentemente estudada por cientistas comportamentais, que tentam entender o que há por detrás da forma como as pessoas agem com as outras.

grupo

Num estudo recente, realizado na Hungria, cientistas observaram as reações de dois grupos de estudantes: um era formado por pessoas levemente maquiavélicas e outro por aqueles considerados altamente maquiavélicos. A partir dessa divisão, com a ajuda de exames de imagem, os cientistas conseguiram ver as diferenças de atividades cerebrais entre esses indivíduos.

Os voluntários foram informados de que trabalhariam em duplas, e cada pessoa recebeu uma nota de US$ 5 e, em seguida, deveria decidir quanto gostaria de “investir” no seu parceiro. A essa altura, os participantes acreditavam que os seus parceiros eram outros estudantes, mas, na verdade, estavam a lidar com um programa de computador.

Esse programa tinha duas formas de ação: ou retornava o investimento de maneira justa, com 10% acima ou abaixo do valor inicial, ou dava resultados injustos, devolvendo apenas 30% do valor inicial. Após a interação inicial, era o programa de computador que investia nos participantes, mas eles mesmos precisavam de decidir se teriam um retorno justo ou não.

pegadinha

Esse exercício revelou que, quando os participantes menos maquiavélicos decidiram quanto de retorno dariam aos seus parceiros, agiam conforme as normas sociais, recompensando os seus companheiros de maneira justa no início e punindo-os quando receberam a recompensa considerada injusta.

Os mais maquiavélicos deram recompensas injustas para todos, independente das recompensas que haviam recebido. No final do jogo de investimento, os maquiavélicos foram os que acabaram com mais dinheiro.

As análises das atividades cerebrais dos participantes revelaram que, quando o programa de computador dava uma recompensa justa aos maquiavélicos, as áreas cerebrais mais ativas eram as relacionadas à criatividade e à inibição. Para os cientistas, isso pode significar que essas pessoas inibiram os seus instintos naturais de agir de maneira recíproca e justa, de modo que, ao mesmo tempo, calculavam uma forma melhor de conseguir tirar proveito do parceiro.

Ao que tudo indica, as pessoas mais manipuladoras e dissimuladas não são egoístas porque são injustas, mas agem de maneira egoísta em momentos específicos, o que é justificado pela falta de empatia. Da mesma forma, essas pessoas tendem a explorar a boa vontade de quem demonstra agir de forma justa e cooperativa.

Fonte: IFLScience

 

Comentários

You need to login or register to bookmark/favorite this content.

Bookmarked By